sábado, setembro 08, 2007

CASO MADDIE: NÃO SERÃO OS VERDADEIROS SEQUESTRADORES QUE ESTÃO A SEMEAR "PROVAS" CONTRA OS PAIS?



Com as notícias que têm saído na comunicação social, não posso deixar de elaborar este breve apontamento sobre este caso que tem mobilizado o mundo inteiro.

A pequena Maddie desapareceu: é um facto incontestável.

Pensou-se ser rapto ou sequestro e as primeiras diligências policiais foram nesse sentido e o apartamento do desaparecimento nem sequer foi selado pela polícia e por ele passaram outra pessoas.

Sem ser encontrado o corpo, “alguém” soprou à PJ a busca de outra pistas e para examinarem melhor o apartamento do desaparecimento.

O que foi feito.

Cerca de três meses após tal desaparecimento.

Encontrou-se, agora, sangue que, analisado num laboratório de Inglaterra, se apurou ser da menor desaparecida.

“Alguém” soprou à PJ para usarem cães pisteiros de cadáveres, e cães ingleses.

Estes detectaram cheiros de cadáver no apartamento do desaparecimento, três meses depois deste ocorrer.

Não se sabe, porém, o cadáver de quem.

“Alguém” soprou à PJ para analisarem o carro que os pais da menina haviam alugado, 25 (vinte e cinco) dias depois do desaparecimento.

Neste automóvel foram encontrados, também três meses depois do desaparecimento, vestígios de sangue, que segundo o mesmo laboratório, pertenciam à criança desaparecida.

Os meios de comunicação social noticiam que os pais da Maddie foram constituídos arguidos porque a PJ suspeita deles como implicados no seu desaparecimento.

Não sei se é verdade nem se é assim.

Julgo mesmo que NÃO É assim.

Concluo mesmo, por raciocínio indutivo, que estas “provas” demonstram que os verdadeiros sequestradores (ou assassinos), que não os pais da criança, é que as manipulam.

As amostras de sangue recolhidas no apartamento do desaparecimento, recolhidas, não na altura deste, mas três meses depois, indiciam que “alguém” as poderia ter posto no apartamento DEPOIS do desaparecimento. É uma hipótese, um indício tão bom como qualquer outro.

Agora, quanto aos vestígios de sangue no automóvel alugado (repita-se, 25 dias depois do desaparecimento), indicia que os sequestradores (com a criança ainda viva para poderem dispor do seu sangue), os puseram propositadamente nele para incriminar os pais da Maddie.

Dir-se-á que a “contradição” é flagrante e que qualquer observador atento dá por ela.

Porém, quando os verdadeiros “sequestradores” têm PODER e querem manipular “provas” para satisfazer a sede de “sangue” ou “justiça” do POVO, este dá o seu “amén” e engole qualquer isco, desde que sejam punidos os “culpados”, quem quer que eles sejam, mesmo inocentes.

E ninguém me convence, sem uma boa e plausível demonstração, do contrário.

E já agora: se é o MP que é o titular do inquérito e que dirige a investigação, segundo a Lei, que tal uma palavrinha deste sobre o assunto, no interesse da verdade e para “acalmar” o público, como é previsto no C. P. Penal (ainda) em vigor?

Como não o fazem, reservo-me o direito de pensar como deixo exposto.

É ou não é assim?

Responda quem souber.

5 Comments:

Blogger Ashera said...

Não penso que seja assim, e a minha intuição aponta para culpa dos pais.
Beijos
http://ashera.multiply.com/

4:52 da manhã  
Blogger hjesu said...

Muito válido, o seu raciocínio. Estou plenamente de acordo.
Abraços

9:39 da manhã  
Blogger Bom Garfo said...

Escrevi sobre isso em:

http://espectivas.wordpress.com/2007/09/08/caso-%e2%80%9cmaddie%e2%80%9d-a-pj-sacode-a-pressao/

e

http://espectivas.wordpress.com/2007/09/10/caso-%e2%80%9cmaddie%e2%80%9d-a-pj-sacode-a-pressao-2/

2:20 da tarde  
Blogger Luís Bonifácio said...

O "Alguém" que "soprou" para utilizar os cães que cheiram cadáveres foi a "Scotland Yard", que acompanha o caso desde o início. Isto não é segredo nenhum.

9:29 da manhã  
Blogger 7livesCat said...

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

8:01 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

on-line
Support independent publishing: buy this book on Lulu.