terça-feira, junho 30, 2009

Carta aberta a um membro permanente do CSMP



Sr. Barradas Leitão:

Descobri, hoje, que um amigo meu, com quem estive a conversar sobre o meu caso no Ministério Público, usou o meu e-mail para o insultar, usando da linguagem baixa que julgou adequada à sua pessoa, dado o seu comportamento aviltante, provocatório e inqualificável em relação à minha pessoa.

Não tenho essas práticas nem as aprovo.

O meu amigo referido foi sensível à história que lhe contei, designadamente a proposta que você me fez, de acordo com o ex-membro do CSMP, Dr. José Mário Nogueira, para que eu desistisse do recurso para o STA da pena de demissão (que, aliás, vim a ganhar), em troca de receber a aposentação compulsiva, recebendo todos os vencimentos atrasados e uma pensão de aposentação superior à legal.

Como tal proposta, da sua autoria - segundo o mesmo José Mário Nogueira - era absolutamente ILEGAL e DESONESTA – se eu desistisse de tal recurso, estaria imediatamente demitido e sem direito a qualquer vencimento atrasado, ficando com menos antiguidade na carreira e, portanto a aposentação legal a que teria direito seria muito inferior à da sua “proposta” - e contra o (pretenso) Estado de Direito que temos, rejeitei-a imediatamente e, sabedor disto, o referido meu amigo achou por bem insultá-lo.

Não aprovo, repito, tais práticas.

Peço-lhe que esqueça tais insultos (nunca denunciarei quem é o meu referido amigo) e que pense nas ilegalidades que você tem cometido.

A História está cheia de homens perversos (entre os quais o incluo a si e seus acólitos) desde Calígula, Nero, Atila, Torquemada, Stalin, Hitler, Pol Pot e quejandos.

Vencerei, sempre, porque tenho uma mente pura e livre de “lixo” perverso.

Sou um homem de bem, perseguido pela perversidade que você encarna, como muitos outros entre os quais os referidos.

Mas vencerei entre os homens com o bem e não com o mal, isto é, defendendo o Estado de Direito contra as perversões dos tráficos de influências e demais desmandos ilegais.

Os tribunais têm-me dado razão e continuarão a dar, assim “haja juízes em Berlim!”

Você revelou bem que não presta (isso já sabemos, faltando só passar tal mensagem ao POVO e à sociedade), mas defendo que só o BEM pode vencer o mal, que você encarna.

As minhas desculpas pela mensagem do meu amigo e passar bem (sei que vai passar mal, mas rezarei por si...).

Você não passa de um ignorante, manobrado, manobrador, prepotente e sem ética, qualquer que ela seja, julgando-se mais “esperto” que todos os “outros”, incluindo a minha pessoa – e com excepção dos seus apaniguados -, pensando que estes caem no seu “conto do vigário”, assim você o queira, em resumo, você não passa de um BANDIDO.

Mas merece a dignidade que qualquer bandido merece, pois também é humano (espero, contudo, que evolua na senda do Bem...).

Mais uma vez, passar bem (as Leis Divinas se encarregarão de o punir, já que as do Homem estão tão mal servidas, designadamente por indivíduos como você...).

Disse!


Victor Rosa de Freitas

2 Comments:

Blogger ELEMENTOS said...

Inacreditável???!!!

9:44 da manhã  
Blogger ELEMENTOS said...

NOTA BREVE: Sabe que utilizei a expressão "ainda há juizes em Berlim...na prova escrita e na prova oral na admissão - cej, e ia sendo na altura excumungada...é que quem proferiu essa frase era um moleiro, face às arbitrariedades do Imperador, na cobrança de impostos, mas o livro onde ela apareceu era de um Juiz Nazi....o que vim a saber posteriormente...
Embora eu saiba prefeitamente o sentido que pretende dar...porque era o mesmo que eu pretendia...a beleza da sã justiça...acreditar que existem homens bons e justos na sua decisão, que garantem a nossa existência, a nossa liberdade de ser, dentro de todo o respeito social e humanitário...

9:49 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

on-line
Support independent publishing: buy this book on Lulu.